As ruas de Nova York são incubadoras de grandes talentos da cultura alternativa. Em cada esquina, cada estação de metrô, norte-americanos e visitantes se deparam com dançarinos e músicos, passando chapéus e solicitando alguns dólares. Foi no cenário da Big Apple dos anos 1970 que surgiu o breaking, também conhecido como breakdance ou b-boying, street dance considerada um dos elementos do movimento hip hop, assim como grafite, DJ e MC.

Os ares dos bairros nova-iorquinos frequentados por afro-americanos e latinos serão lembrados amanhã em Ribeirão Pires durante a 5ª edição do Reality Show B Boy”s, das 12h às 20h, no Ginásio Osires Grecco, no Complexo Ayrton Senna.

A dança nasceu no bairro Bronx, na época dominado por gangues, como forma de acolher jovens em cultura de paz. Os passos, que são quebrados de acordo com a batida da música, tornaram-se mania mundo afora. No Brasil, breaking ganhou força na década de 1980 e embalava crianças e jovens a criar coreografias e passos ousados nas ruas e na TV. Atualmente, perdeu espaço na mídia e seguidores, mas continua forte entre grupos que se reúnem em apresentações e competições. “O breaking não morreu. Tem muita gente das antigas, dos anos 1980, que ainda dança. Existem muitos eventos”, diz o organizador do encontro de amanhã, Cesar Massotti, conhecido como B. Boy Suco.

Essa é a primeira vez que Ribeirão Pires recebe o evento anual, que nas outras edições foi realizado em Mauá. Trata-se de competição entre 16 grupos convidados, sendo que cada equipe conta com cinco pessoas. Apenas uma é do Grande ABC: Energia Break, de Mauá. As outras, de São Paulo, são: Stylo de Rua, Xstyle Crew, MH2G, Biohazard, Gangstyle, Street Son, Sete Selos Crew, Crew, Impacto Breakers, Gamers Crew, The King, Floor Rockings Crew, Jabaquara Breakers, Breaknomaniakos e Afrobreak Akomabu Crew.

Para fazer bonito na disputa, B Boys e B Girls, nomes dados aos garotos e garotas que dançam, escolhem figurinos variados, que vão de roupas esportivas a sociais. “Os grupos se confrontam na dança. Jurados avaliam quesitos como estilo de dança, coreografia e musicalidade. Tem de ser criativo”, explica Massotti.

O lado social fica por conta da arrecadação de alimentos não perecíveis, exceto açúcar e sal. Cada pessoa deve doar 1 kg. “Os alimentos serão encaminhados a entidades beneficentes de Ribeirão Pires e Mauá”, afirma o organizador.

Reality Show B Boy”s – Dança. No Ginásio Osires Grecco – Complexo Ayrton Senna – Avenida Brasil, 183, Centro, Ribeirão Pires. Amanhã, das 12h às 20h. Fone.: 4825-6463. Ingr.: 1 kg de alimento não perecível, exceto açúcar e sal.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here