Breaking & Capoeira (são os mesmos problemas)

0

Eis um artigo que achei muito interessante sobre com a dança breaking vêm introduzindo a capoeira durante os últimos anos. O artigo foi escrito pelo amigo BBoy Jhou da Elemento B Crew, espero que todos gostem. Afinal de contas, quantos depoimentos de grandes bboys já disseram que vieram da capoeira brasileira.

Não é estranho acompanhar um raciocínio lógico, vários BBoy do mundo procuram acrescentar em suas session, movimentos da Capoeira, não critico quem faz isso, acredito que o BBoy que consegue acrescentar outros elemento culturais a sua dança, E CONSEGUE CONTINUAR DANÇANDO BREAKING, torna sua dança muito rica.

Se a dança Breaking passa por discuções em comunidades e fóruns de bate papo em todo o mundo por causa do biting(cópia) e dos fundamentos, das “evoluções” do flava e do feeling do BBoy, demos estar de mente aberta que a Capoeira também passa por isso em todo o mundo. Durante esse mesmo texto sobre os fundamentos da dança Breaking e a comparação real com a Capoeira usarei citações de mestres entendedores da arte capoeiristica.

“A capoeira encontra em nosso imaginário infinitas e incontáveis versões e interpretações. Do leigo ao mestre, incorpora-se a cada dia um pouquinho do toque de cada um que passa por ela. Alguns deixam marcas profundas na alma da Capoeira, outros deixam cicatrizes, outros ainda, simplesmente sopram por suas vicinais apenas como uma brisa passageira”.
(Fabinho, Web site: WWW.capoeirafabinho.cjb.net).

No Breaking, existem diversos BBoys criadores de movimentos próprios e diversas formas de expressão e de explicações sobre nossa arte, a cada dia, nossa dança passa por criações, fruto de experiências e acréscimos de culturas diferentes. Existem BBoys que conseguem adaptar algumas culturas para o que é o Breaking, mas existem os que deixam cicatrizes, os que apenas querem fazer o Biting(cópia) sem se preocupar em conhecer os fundamentos e a essência da dança, se tornando em BBoys passageiros. Lembro do que o BBoy Mantis da Repstyles Crew da Philadelphia escreveu no bboyword.com e foi postado por Superstylin aqui nesta comunidade. “Você não pode explicar, dizer ou ensinar uma pessoa sem imaginação ser criativa” e são essas as pessoas que passar “voando” pelo Breaking.

“Ecoa nos modernos resgates da capoeira contemporânea o tal do “fundamento”. Os bravos guerreiros de não muitas décadas atrás, alguns ainda vivos, mitos vivos, ícones perenes de nossa capoeiragem atentam para o fundamento. Onde está o fundamento da capoeira? Ou os fundamentos? Em uma nova visão de capoeira globalizada vê-se a capoeira, ora deturpar a regional como capoeira moderna, ora a angola com o mau uso do parafrasear Pastiniano de que a “capoeira é tudo que a boca come”.
(Fabinho, Web site: WWW.capoeirafabinho.cjb.net).

Se no Breaking há essa discussão sobre fundamentos da dança, imagem que na Capoeira também existe isso. Na citação acima, podemos interpretar a frase do Mestre Fabinho como sendo direcionada a nós mesmo, povo do Breaking. Lembremos dos pioneiros da nossa dança, Joe- Joe, Easy Mike, Jimmy-Dee, P-Body 170th, Jimmy Lee, Chrome, Boo-Ble, Pauly, Lime-5, Rubberband, l- Mack (Weebles), Doctor Ace, Slick Rick, Popeye, Trace 2, Trac 2, Rim 180th, Tito 183rd, Me 2, Green Eye Joe, Braces, C.N., Les, Angel Rock, Bon 5 Lenny Len and Crazy Legs.a geração de 77 da RSC. Os BBoys que desenvolveram e espalharam os fundamentos da dança pelo mundo. Acredito que alguns daquele tempo se perguntam: Cadê a essência da dança? Será que esses BBoys novos não entender o que é fundamento? Por que eles se sentem livres para esquecer a história e “dançar” de qualquer forma?

“A cantiga é fundamento de capoeira, sim senhor. Ouso em afirmar que tem relação com a filosofia da capoeira. Muita gente, inclusive mestres, dizem que a capoeira não tem filosofia, como se isso fosse privilégio de intelectuais ou atributo das artes marciais orientais. A herança oral que tanto se invoca e remonta a nossa história recente brasileira intercede por uma cantiga dentro do fundamento”.
(Fabinho, Web site: WWW.capoeirafabinho.cjb.net).

Segundo o Dr. Decânio, “os três “Rs” são inerentes à prática e a vida capoeirística: são eles: RITMO, RESPEITO e RITUAL. Isso é tão próprio da capoeira que imaginar uma roda fora desta “simplicidade”, me parece tudo menos a capoeira”.

E o Breaking não possui esses 3 “Rs”, acho que em nossa dança seriam os 3 “éfes”: FEELING, FLAVA e FLOW. O dr Decânio nos passa a idéia de que “Isso é tão próprio do Breaking que imaginar uma cyphers fora desta “simplicidade”, nos parece tudo menos Breaking”.

“Sou do tempo que o capoeira deve fazer tudo isso sabendo chegar “e estar bem chegado” em qualquer roda. Cantar martelo, desafio, MPB, Chula “moderna”, “Hino de Grupo” está virando uma “nova” fundamentação de roda que está aí para os capoeiras de hoje”.
(Fabinho, Web site: WWW.capoeirafabinho.cjb.net).

Isso pode ser a distorção que notamos dentro da nossa arte. Como Mantis diz: “é cego guiando cego” e assim distorcendo todo um contesto cultural, de princípios, onde o Breaking deve ser mantido na sua forma mais pura, de essência, e de fidelidade a sua família (crew).

Quem chega hoje no Breaking precisa evoluir em poucos meses. Parafraseando Mestre Waldemar: “Todo mundo quer ser bom, mas ruim ninguém quer ser”. Para que perder tempo estudando a história e aprendendo a SIMPLISMENTE DANÇAROS FUNDAMENTOS?

“Não é por que temos CDs, DVDs, mídias mil que esqueceremos a mão e o pé no chão, o pau pereira e a brincadeira. Não é por que se dá aula “on-line” e por que o Mestre vídeo está aí, que vamos fazer de nossa capoeira, Mc Donald”s pra gringo consumir. Viver de capoeira não significa explorá-la. Quem está no exterior deve pensar em uma visão comensal e quem está chegando agora deve se preocupar com “seu lugar na fila” e não esquecer de quem tem cabelos brancos”.

(Fabinho, Web site: WWW.capoeirafabinho.cjb.net).

Acredito que nem é preciso reescrever a citação acima em outras palavras, todos já compreenderam a idéia central, é como diz um dito popular “CADA MACACO NO SEU GALHO” cada um no seu lugar tendo paciência, praticando, se divertindo e não esperando impaciente a hora de ganhar (R$) com isso. O Breaking deve ser praticado por amor, por diversão, por uma satisfação própria do ser humano e não por mídia, por fama, por sensacionalismo.

Ainda acredito na “comunidade capoeirística”.

Graças a Deus ainda existem os verdadeiros BBoys Style que estudam, se preocupam com os 3 “éfes” e são fiéis a o que descobrem com seu estudo, que dão valor as informações e possuem sabedoria para compreender e resistir as besteiras ditas pelos “demônios de aba reta”…

Grato por ser analisado e por ser criticado também…

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here