Livro How To Rap, para desvenda os segredos da rima, por Chuk D

0

A algum tempo atrás foi lançado o livro “How To Rap: The Art and Science of the Hip Hop MC” (Como fazer rap: A arte e ciência do MC de Hip Hop), livro que aborda mais de 104 MC’s e desvenda técnicas de composição, explica como funciona a levada (flow), entre outras coisas.

Chuck D, Public Enemy, foi um dos entrevistados e logo abaixo temos a entrevista na íntegra feita pelo autor do livro, Paul Edwards, onde ele fala sobre composição, levada, performance ao vivo e divide um pouco da sua experiência.

How To Rap – Como você aprendeu a fazer rap?
Chuck D: Eu não sei se eu realmente ‘aprendi’ a fazer rap, a única coisa que sei é houve um tempo em que não existia Rap na música. Quando eu estava crescendo tínhamos os Last Poets e James Brown. Depois eu me animei ao saber sobre alguns caras do Bronx que estavam fazendo essas fitas (fita k7), e fiquei intrigado com o ritmo e com a maneira deles apresentarem seus raps. Daquele dia em diante, eu meio que imitei o que ouvia, gostava dos caras que tinham boas vozes como o (Grandmaster) Melle Mel. Eu os achava incríveis, inacreditáveis, então eu segui o estilo desses caras por algum tempo e mais tarde descobri e inventei o meu.

HTR – Você chegou a memorizar letras de outras pessoas?
CD: Sim, caras como DJ Hollywood, Eddie Cheeba e pessoas do gênero, eu os achava muito bons e gostava do jeito que faziam tudo.

HTR – Você treinou muito a escrita antes de se sentir bom o suficiente para se apresentar perante ao público, ou gravar alguma coisa?
CD: Na verdade não, eu sempre fui uma pessoa artística. Sempre fui bom com as artes: desenhar, pintar e coisas do tipo. Eu lembro que queria me tornar um locutor de esportes ou comentarista, então o uso da minha voz veio primeiramente daí.

HTR – Quando escreve, você tem um processo esquematizado (algo como uma fórmula)?
CD: O jeito que eu mais gosto de escrever é bolando o título antes de tudo, para depois criar e trabalhar o resto.

HTR – Você escreve tudo no papel?
CD: Eu gostaria, mas o computador tem me ajudado muito nos últimos 10 anos. Eu escrevo no papel, mas depois arrumo tudo no computador.

HTR – Você alguma vez ‘escreve’ ou já ‘escreveu’ de memória? (escreve a letra na mente)
CD: Não e sinceramente acho que esse é um processo muito desleixado. Eu acho que você até pode fazer algo brincalhão e frívolo desta forma, mas se quer fazer algo que tenha alguma substância ou algum conteúdo e que fique por aí, na mente das pessoas, por um bom tempo, por experiência própria, deve ser escrever antes.

HTR – De onde vem a maioria de suas idéias?
CD: Do mundo, das vizinhaças e áreas à minha volta. Existe um mundo imenso que circunda cada um de nós.

HTR – Você acha que ter um vocabulário vasto ajuda?
CD: Bem, você está usando palavras certo? Então não importa em que idioma esteja rimando, é sempre de grande ajuda saber o maior número de palavras que puder. As palavras são a sua artilharia.

HTR – Pois é, mas você acha que pode ficar muito além do que o público pode entender se ficar muito complexo?
CD: É, bem, você pode até ficar além de alguns, mas acertar outras mentes. Acho que não deve existir tanta preocupação com as outras pessoas o tempo todo, algumas vezes o importante mesmo é fazer o que você sente.

HTR – Você pesquisa informações para as suas letras?
CD: Eu acho que faz sentido pesquisar sobre os fatos se você vai falar sobre alguma coisa profunda. É preciso prestar atenção no que se está falando então a pesquisa tem que vir de várias fontes. Eu acho que é fundamental poder provar intelectualmente ou academicamente o que se diz. É algo inteligente a se fazer, se você quer ser inteligente no que faz.

HTR – Você acha que um número maior de MC’s deveriam abordar tópicos mais importantes?
CD: Bom, eu acho que é burrice uma pessoa de 40 anos não abordar assuntos que estão presentes na mente de um cara de 40 anos. Se uma pessoa com 40 anos está tentando adivinhar o que se passa na cabeça de um cara de 20……me diga, o quanto você quer ouvir esta pessoa?

HTR – Você acha que o Hip Hop vai voltar a ser mais político?
CD: Já está, isso depende de o que você está procurando e onde você está procurando. Eu acho que lugares como myspace e Youtube, e todos os similares na internet, tornam possível descobrir um grande número de pessoas novas fazendo o que acham importante.

HTR – Você acha que o movimento vai se tornar mais político de novo, no nível do mainstream?
CD: Eu não posso fazer essa previsão – o mainstream tem um monte de coisas diferentes acontecendo com ele, coisas das quais eu tento me manter longe ou alheio. Tentar prever isso é como tentar prever o tempo, e eu não sou um bom homem do tempo.

HTR – Você gosta de ter um conceito planejado antes de começar a escrever…..você mencionou que gosta de começar pelo título?
CD: Sim, com um título você consegue preencher as lacunas e ter uma conversa clara sobre o que está falando. O que eu quero dizer é, como você pode ter uma conversa clara sobre alguma coisa, se você não sabe sobre o que está falando?
Eu acho que em grande parte das vezes, o problema com os rappers é que eles não se escutam. Esse é um grande problema com a música rap no momento – eles ouvem só o que faz sucesso, mas eles não se escutam. É mesma coisa que alguém falar o tempo todo e nunca parar para escutar os outros.

HTR – Você alguma vez começa a escrever sem ter um conceito ou idéia formada previamente?
CD: Letras, algumas vezes, simplesmente aparecem na minha cabeça. Ás vezes um grande pensamento ou grande idéia surge na minha cabeça, e eu quero construir uma letra a partir daquilo. Meu segredo é sempre anotar esse pensamento porque existe uma grande chance de eu perde-lo. Escrever as coisas, muita vezes, me salva.

HTR – Você tem algum modo particular de escrever a levada (o flow)?
CD: Eu tenho alguns modos, sim. Ás vezes escrevo uma linha (sublinhar) ou faço um bom mapeamento onde eu anoto na página um monte de idéias diferentes.

HTR – É difícil rimar e fazer sentido ao mesmo tempo?
CD: Sim, é sim. Apesar disso, algumas vezes você não precisa rimar, algumas vezes você pode escrever algo profundo e não rimar, mas colocar uma palavra de terminação similar.

HTR – Quanto tempo você leva, em média, para escrever uma letra?
CD: Depende, algumas vêm rápido e outras aparecem durante um ano. Algumas vezes a coisa flui melhor quando demora mais , ás vezes o resultado fica melhor quando é rápido. A músida “Harder Than You Think” (do álbum “How You Sell Soul To a Souless People Who Sold Their Soul” , do Public Enemy) foi totalmente inspirada na música (instrumental) para que a letra pudesse ser escrita rapidamente, então ‘Harder Than You Think’ é provavelmente a música que escrevi mais rápido e provavelmente a música mais rápida para executar também.

HTR – Você gosta de escrever para o instrumental que irá usar na música terminada?
CD: Ás vezes é possível escrever para o instrumental, ás vezes as palavras tem o seu próprio som e andamento.

HTR – Os produtores com quem você trabalha tem alguma interferência nos seus trabalhos?
CD: Sim, toda música que já escrevi foi colaborativa.

HTR – O seu jeito de escrever mudou desde que você começou?
CD: Sim, como um escritor você tem que saber mexer e lidar com várias técnicas diferentes. Sempre procurei fazer isso.

HTR – Você costuma usar a maioria das rimas que escreve?
CD: Eu tento. Estou sempre escrevendo então sempre vai existir alguma coisa que eu não vou usar, mas que posso aproveitar para alguma outra coisa.

HTR – O que é mais importante: o assunto abordado ou a levada?
CD: Eu acho que estas duas coisas estão pau a pau. Quando você está lendo palavras diretamente do papel, elas talvez não tenham a levada necessária, mas podem ter longevidade. E ás vezes você ouve algo e talvez nunca precise ler as palavras para entender, e aí você descobre que a levada também pode ser longeva. A levada tem mais a ver com a habilidade vocal, e as palavras tem mais a ver com a habilidade de escrita.

HTR – Se alguém tiver uma levada muito boa, isso pode chegar a compensar o fato de esta mesma pessoa não ser muito boa em abordar assuntos?
CD: Até pode, mas sempre por um período curto de tempo. Depois de um tempo vai ser tipo: “Okay o que mais você tem a oferecer? Ou, o que podemos fazer com isso?”

HTR – Foi um processo diferente quando Paris escreveu o seu álbum “Rebirth Of Nation”?
CD: Foi um pouco diferente, mas ele escreveu de uma forma que se assimilou a trabalhos que eu já tinha feito. Ele teve uma grande profundidade quando escreveu aquelas palavras e quando ele compôs a levada, se baseou no que eu já tinha feito. Ele definiu uma guia vocal para ser seguida – o jeito com que ele construiu tudo foi praticamente uma ciência, ele é tipo uma cientista/músico.

HTR – Com “Black Steel In Hour of Chaos”, você planejou a história antes, ou você foi construindo tudo conforme o processo avançava?
CD: Eu fiz conforme o trabalho ia andando. Algumas vezes eu escrevo uma idéia em algum lugar, e depois encaixo em algum tipo de levada poética.

HTR – Você memoriza a letra antes de gravar?
CD: Algumas vezes memorizo – é bem legal ter ela memorizada porque você pode brincar mais com ela. Com algumas coisas que eu tenho memorizadas, consigo criar e inventar vários tipos de entonação que talvez não conseguisse se estivesse lendo.

HTR – Você planeja quando e onde você vai respirar na faixa, para que você não perca o fôlego?
CD: Isso acontece enquanto eu escrevo. Quando se está escrevendo as palavras, você sabe o que é uma impossibilidade e o que é uma possibilidade. Então, se você precisa respirar e tem uma palavra comendo a outra, você provavelmente vai ter que optar entre respirar e concluir o pensamento.

HTR – Você acha muito importante ter uma voz que se destaque?
CD: Eu acho, mas só posso falar por mim mesmo porque tenho uma voz diferente – se você tem uma voz que se distingue das outras não importa que idioma fale, você vai atrair atenção. Eu só conheço o inglês, mas digamos que eu vá para uma parte da Espanha onde eles só falam e entendem espanhol, a levada e a presença vocal vão se tornar prioridade.

HTR – Alguém que não tem uma boa voz pode se virar, se for um compositor muito bom?
CD: Ele deve ser um grande escritor, e em termos de performance pode até se tornar um bom performer, mas vai precisar de muito mais treino, dedicação e trabalho para superar um cara que tem apenas uma grande voz.
HTR – O que você acha que faz uma performance ao vivo ser boa?
CD: Projeção, convicção, crença naquilo que você está dizendo, confiança. A melhor performance é aquela em que você está falando com um público que não acredita muito no seu trabalho ou simplesmente não se importa ,e por isso não se esforça para prestar atenção, e no fim da sua apresentação você fez este mesmo público entender o que você quis dizer, a mensagem que queria passar.

HTR – O que você acha dos MC’s atuais se comparados com os mais antigos?
CD: Eu acho que os MC’s de hoje em dia estão tentando descobrir como serem similares uns aos outros, e os MC’s mais antigos sempre tentaram descobrir como serem diferentes um dos outros.

Fonte: HH DX

COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here