ARTIGOS MAIS RECENTES

História da Dança de Rua

24

A Dança de Rua surgiu através dos negros das metrópoles Norte Americanas. As primeiras manifestações surgiram na época da grande crise econômica dos EUA, em 1929, quando os músicos e dançarinos que trabalhavam nos cabarés ficaram desempregados e foram para as ruas fazer seus shows. Em 1967, o cantor James Brown lançou essa dança através do Funk. O Break, uma das vertentes do Street Dance, explodiu nos EUA em 1981 e se expandiu mundialmente, sendo que, no Brasil, devido à sua cultura, os dançarinos incorporaram novos elementos de dança.

A Dança de Rua quando vinculada ao movimento Hip Hop (Hip do inglês – quadril; Hop – pulo) toma um outro sentido na história e em sua formação.

Existem vários estilos de dança dentro do Hip Hop, entre eles temos:

  • O Breaking, executados pelos B.Boys ou B.Girls
  • O Locking, executados por lockers
  • O Popping, executado por poppers
  • As Social Dances

O “Break Beat” é a batida de fundo repetitiva muito conhecida pelos Mcs em seus shows, os Djs entram e tocam a música e os dançarinos (b.boys ou b.girls) fazem a sua dança nessa batida da música.

Difere-se do Street Dance pois o Hip Hop utiliza-se das danças sociais conhecidas como, harlem shake, happy feet, monastery e etc, enquanto o Street Dance além desses estilos se utiliza também das linguagens corporais do Jazz, Dança Contemporânea, e outros movimentos conhecidos pelo corpo do dançarino e do coreógrafo. Em outras palavras, o Hip Hop é um estilo de dança mais dinâmico, já que este veio de festas, enquanto o Street Dance veio das academias e limita-se mais as coreografias.

Uma das grandes características do Street Dance vinculada ao Hip Hop é a improvisação, que algo momentâneo e acontece com mistura de linguagens entre, encenação teatral, mímica e dança. Tem o seu nascimento nos Estados Unidos da América, o leste e o oeste norte americano tem expoentes diferentes de estilos e de representantes no Street Dance.

Estilo de Danças de Rua

Breaking, B-Boying – Foi desenvolvido pelos garotos do bairro do Bronx (NY) entre 1975 e 1976 nas block parties (festas de rua) ao som dos ritmos latinos, soul, funk e jazz. O fato curioso sobre o nascimento deste estilo, é que ele fora desenvolvido pelos adolescentes da época, que por não conseguirem imitar corretamente seus irmãos mais velhos e seus pais, que dançavam embalados pelo soul, acidentalmente acabaram criando um estilo mais radical, composto por Top Rock, Footwork e Freeze. Breaking geralmente é dançado ao som de Funk (original dos anos 70) ou senão das mixagens conhecidas como Break Beats. B-Boy / B-Girl – termo criado pelo pai de todos os DJ’s, DJ Kool Herc, não por causa dos movimentos robotizados mas sim para se referir àqueles que dançavam na roda quando os DJ’s ficavam repetindo uma certa parte instrumental da música, que é o break da música, daí surgiu o nome. O DJ brincava perguntando “Onde estão os B-Boys (Break-Boys) e B-Girls (Break-Girls)?”. Todos já sabiam que Kool Herc iria construir as batidas para o Grupo de Elite de Dançarinos que participavam de suas festas. O nome pegou e hoje representa, de modo genérico, o praticante de todos os estilos do Breaking. Mas que fique claro que B-Boy e B-Girl são aqueles que dançam o B-Boying, Breaking. Vale uma observação: B-Boy também tinha outras duas interpretações: Beat Boy ou Bronx Boy.

Locking – criado por Don Campbellock no final dos anos 60, em Los Angeles. Pode-se dizer que este estilo fora inventado acidentalmente pelo fato de Campbellock nunca ter conseguido interpretar corretamente os passos do funk chicken (estilo popularizado por James Brown em suas apresentações). É importante lembrar que o dançarino de locking é denominado de locker.

Popping – criado por Boogaloo Sam, natural de Fresno (Califórnia). Num sincronismo de braços e pernas o popping estiliza o pipocar (pipocas estalando) de movimentos. Boogaloo Sam também fora o criador do estilo boogaloo style em meados de 70 e o passo denominado de backslide, usurpado por Michael Jackson e popularizado com o nome de moonwalk. Vale ressaltar que o dançarino de popping é identificado pelo nome Popper.

Up Rocking, Brooklyn Rock, Rockin – criado entre 1967 e 1969 pelos dançarinos Rubber Band e Apache (idealizadores da Dynasty Rockers Crew), no bairro do Brooklyn (NY). Este estilo consistia na simulação de uma luta (ataque e defesa) enquanto se dança e seu objetivo é marcar, pegar o adversário desprevenido (burn) marcando assim pontos como se de fato tivesse sido acertado algum golpe. Extinto no inicio dos anos 70, alguns de seus passos reaparecem junto às coreografias dos B-Boys do bairro do Bronx (NY). Cabe lembrar que o dançarino de Up Rocking era denominado de Rocker.

Breakdance – Termo lançado erroneamente pela mídia quando esta dança teve seu boom nos anos 80 nos EUA.

Dança de rua, criada na rua, crescida na rua. Seja Breaking, Up Rocking, Popping, Locking ou outro nome que queiram dar, todos estes estilos são da rua!

É a expressão corporal dançante do Hip Hop. Surgiu em meados da década de 60, e veio para dar um basta à violência praticada pelas gangues da época, pois os jovens preocupados em se superar cada vez mais nos movimentos esqueciam dos problemas e da violência originária das ruas, até que as richas entre as gangues passaram a ter um sentido menos violento. Daí surgiu o “racha” entre as gangues (quem dançasse melhor sairia vitorioso) que existe até hoje, só que de um jeito menos ofensivo.

A Dança de Rua vai muito além de uma forma de dança. É mais que tudo, um estilo de vida para quem ama o Hip Hop, é atitude, é arte de rua.

É que sempre rolou uma certa richa entre o povo de Nova York e o povo de Los Angeles sobre quem criou o que, quem faz melhor do que quem e estas desavenças que existem em qualquer lugar do planeta.

James Brown, o famoso Rei do Soul, está por todos os lados influenciando a Dança de Rua. Estava na cabeça (e no corpo) dos nova-iorquinos no surgimento do B-Boying no Bronx. Brown criou do “Get on the Good Foot”, o “Good Foot” foi um dos primeiros “freestyle dance” espontânea e elétrica, baseada em subidas e descidas, giros e chutes. Os jovens de periferia pegaram o Good Foot e temperaram com a rua. É mais fácil descrever o Good Foot, concordando com Michael Holman: imagine uma grande marcha em uma parada, dando passos longos e altos, ficando com uma perna arrastada no chão e com os quadris soltos para a batida, abaixando simultaneamente a outra perna.

Enquanto isso, na Costa Oeste, em cidades como Los Angeles e Fresno, o Popping e o Locking estão por toda à parte fazendo milhares de jovens dançarem. E James Brown estava lá, marcando presença mais uma vez. Boogaloo Sam disse que deu o nome de Boogalooing para o estilo que criou por causa da música “Do The Boogaloo” (dec. 50). Como os movimentos que Sam faziam eram muito estranhos, ele chamou de Boogalooing. Os estilos surgidos na Califórnia, que são mais complexos e em maior número, possuem uma dezena de gêneros irmãos que influenciaram e foram influenciados por eles: Strutting Hitting Floating, Cutting Wacking Punking, Showcasing Ticking Hustle, Animation Voguing Scarecrow, Puppet Waving.

Costuma-se dizer que um B-Boy completo (porém básico), de acordo com os dançarinos do meio da década de 70, é aquele que realiza sua apresentação em 3 partes principais, sendo elas:

O Top Rock (originado no Bronx) é quando o B-Boy dança na vertical, em pé. Tem hoje a função de apresentação, ao entrar na roda o B-Boy / B-Girl completo, nunca deixa de apresentar o seu Top Rock, é o cartão de visitas apresentando o seu estilo, só depois ele desce ao chão para executar o Footwork. Quem não apresenta o seu Top Rock e o seu Footwork na roda não pode ser considerado um B-Boy / B-Girl completo.
O Footwork (conhecido por nós como Sapateado) é o trabalho realizado pelos pés surgiu quando os “boie-oie-oings” (como eram chamados os B-Boys no inicio) começaram a movimentar o corpo circularmente com o apoio das mãos, fazendo tambem movimentos mais arriscados como saltos no ar. O Footwork é a base do B-Boying. Após sua rotina, o B-Boy sempre termina sua entrada com um Freeze.

O Freeze é um congelamento no qual o B-Boy tem o ápice de sua apresentação, os bons freezes geralmente duram no mínimo dois segundos na posição escolhida, como já disse a lenda Mr. Freeze (RSC) e quanto maior o grau de dificuldade de execução, maior a sua qualidade.

Por fim, entram os Moves (movimentos). O giro de cabeça, os saltos, os moinhos de vento, etc. São movimentos influenciados pela ginástica e ginástica olímpica com tempero da Rua. Existe uma grande discussão mundial, sobre o valor real dos Moves. Não há dúvida que um leigo em Breaking vai achar um Mortal “melhor” do que um Footwork. Porque o mortal é mais difícil, é mais bonito. O que tem ocorrido é que a última geração de B-Boys e B-Girls assistem as fitas de campeonatos e vêem muitos Moves. Na hora de ensaiar, esquecem da base (Top Rock, Footwork e Freeze) e só ensaiam saltos. Não é conservadorismo acreditar que um bom B-Boy / B-Girl é aquele que é completo, ou pelo menos se esforça para isso.

Alguns acham que a força dos movimentos tem um grande impacto e muita energia, basta mostrar seu jeito individual e original nos movimentos que faz. Além disso, a força dos movimentos, realmente, não se faz com a batida e sim no modo como se gira. Por esta razão o Rock Steady Crew sugere que os Footworks fossem enfatizados, como o Breaking dos anos 90 e os Moves também podem ser incorporados, desde que o sejam feitos como dança, ou harmonicamente incorporados a ela.

Resumindo, pode-se dizer que Nova York é ritual, combate, força; Los Angeles é Funk, é estética, é corpo.

A televisão influenciou muitas pessoas no início da década de 70 com programas como The Big Show, What’s Happening e o Soul Train, (neste último, havia dois Lockers, Jeffrey Daniel e Shalamar) que faziam parte do elenco fixo junto com o lendário grupo L.A. Lockers. Pode-se até afirmar que jovens de Nova York foram influenciados por jovens de Los Angeles, engraçado não?

Do outro lado do país Kool Herc fazia festas com um carro equipado de dois toca-discos e um mixer, os chamados Boom Boxers e levava também dois dançarinos conhecidos como The Nigga Twins, que no futuro também seriam chamados de B-Boys, pois também dançavam na quebrada da música misturando Dança de Rua com outros estilos.

Os fundadores em Nova York não podem ser esquecidos (The Nigga Twins; El Dorado; Sasa; Mr. Rock). A primeira geração de equipes quase nunca é citada, pois a maioria dos B-Boys e B-Girls acham que o B-Boying começou com a Rock Steady Crew, o que não é verdade. O porto-riquenho Trac 2, lendário membro da equipe Starchild La Rock conta que já havia gente dançando pelas calçadas do Bronx onde estavam a maioria das equipes e que foram os latinos que mantiveram a chama acesa, pois a maioria dos negros viam o B-Boying / Breaking como uma moda e abandonavam a dança logo. Cito algumas equipes desta época e membros de destaque que suavam ouvindo “Apache” e “It’s Just Begun”:

Salsoul Crew (Vinnie e Off); TBB; Zulu Kings (Beaver e Robbie-rob); Rockwell Association (B-Girl Mama Maribel); Floor Lords (Manhattan); Floor Masters (Manhattan); Starchild La Rock (Trac 2, Bos); B-Boys in Action; Yoke City Mob; Young City Boys (Freeze, Ken Swift); Crazy Comanders Crew (Spy e Shorty); KC Crew; Master Plan.

Não podemos deixar de citar a Guettoriginal Company Dance formada por importantes gangues como: Magnificent Force, Rhythm Technicians e Rock Steady Crew, que juntos fizeram um vocabulário para os movimentos e criaram o Jam on the Groove que se destacou e invadiram o espaço de outras danças recebendo convites para apresentações no Central Park em NY, em Viena, Paris, em Tókio e muitas outras apresentações pelo mundo.

A popularidade dos filmes de Kung Fu durante os meados dos anos 70, especialmente na cidade de NY deu um grande impacto no estilo B-Boying. Um grande número de movimentos das artes marciais incorporou-se junto ao B-Boying, que também sofreu influencia das danças nativas da África e dos EUA e da Capoeira brasileira. São mais combativos e ritualísticos. O próprio Up Rock (Brooklyn Rock) consiste em movimentos de ataque e defesa, representando socos, machadadas, marteladas dentro de uma estrutura de 5 tempos.

A maior rivalidade de crews durante aquele período, foram entre o SalSoul (esta crew muda seu nome mais tarde para DiscoKids) e The Zulu Kings assim como entre Starchild La Rock e Rockwell Association. Naquele tempo os movimentos eram somente Freezes, Footworks e Toprocks. Não havia giros! Rachas históricos foram travados entre estas equipes.

Como a tradição de batalha de dança já esteve bem estabelecida naquele tempo e como incorporado dentro da cultura Hip Hop (“lute com criatividade, não com armas”), isto ficou mais e mais uma dança que envolvida ao B-Boy usando sua imaginação para executar o sapateados com os pés, arrastos e outros movimentos de batalha. A meta principal em uma Batalha de Breaking foi bater o “adversário” por existência da mais criativa com passos e Freezes e por melhor e mais rápido movimento.

Existe um conceito errado proposto pela grande mídia que diz que o Breaking era usado pelas gangues, que dançavam ao invés de brigarem, no entanto, isto está completamente longe de ser verdade, pois os rachas (battles) de Breaking também eram grandes criadores de tumultos e muito naturalmente aconteciam várias brigas por causa dessas batalhas de B-Boys.

Com o tempo, as lendárias batalhas ou “rachas” evoluíram para um estágio de desenvolvimento de conceitos diversos, que iam desde a compreensão dos difíceis passos da dança, até programas de recuperação de jovens viciados ou que viviam nas ruas.
Apesar de ter nascido em uma comunidade Negra, foram os porto-riquenhos que deram vida ao Breaking. Foram eles que introduziram o uso de acrobacias e movimentos de ginástica olímpica, além de inventarem dezenas de novos passos. B-Boys como Crazy Legs do Rock Steady Crew foram influenciados por dois desses porto-riquenhos, Jimmy Lee e Joe Joe.

E as minas? Asia One, Roc-A-Fella, Dandy, Lady Rock, Baby Love, Lady Doze, China, Lisette são as B-Girls que formaram a primeira geração. O tempo passa e muitos B-Boys e B-Girls param, casam, vão para a faculdade e uma nova geração surge. É nos anos 80 que o B-Boying se transforma em Breakdance (rótulo midiático). O aparecimento de equipes como Floor Masters, Rock Steady Crew, Dynamic Rockers, Magnificent Force e The Brooklyn Dinasty entre outras transformaram positivamente e negativamente o cenário do Hip Hop. Cito alguns deles:

Pontos positivos: A realização de filmes tornou o Breaking popular. Em 1981 a ABC News mostraram uma performance da Rock Steady Crew no Lincoln Center. Então em 1982 uma batalha entre Rock Steady Crew e Dynamic Rockers foi registrado ao filme/documentário “Style Wars” que esteve mais tarde também nacionalmente no PBS. No mesmo ano o “Roxy” outrora conhecido como um Rollerskate Disco foi reaberto como um Hip Hop Clube.

Em 1983 o filme “Flashdance”, embora não fosse um filme de Breaking, as cenas curtas onde apareciam B-Boys dançando causaram grande impacto, suficiente para inspirar as pessoas a começar a fazer B-Boying por todo o mundo, surgiu nos cinemas e o clipe de vídeo de Malcolm McLarens “Buffalo Gals” foi mostrado em TV. A Rock Steady Crew foi destacada em ambas produções e eles foram visto por toda a parte o mundo por causa do sucesso deste filme e desta canção. Que foi a liberação à explosão de mídia na maioria de países ao redor do mundo. Para todos o Breaking foi alguma coisa nova, alguma coisa que nunca tinha sido vista antes, alguma coisa que é realmente espetacular e fascinante. Ainda no mesmo ano o filme “Wild Style” apareceu e para promover ele o “Wild Style” – teve uma excursão, que foi a primeira excursão internacional destacando a cultura Hip Hop. O MC’s, DJ’s, Graffiti Writers e B-Boys foram até Londres e Paris e isto foi o primeiro tempo que o Breaking podia ser visto “ao vivo” na Europa.

Publicado em 24 de Março de 2009
Atualizado em 24 de Setembro de 2018

Os 10 Melhores Filmes de Street Dance

21

Depois de nosso artigo sobre os melhores filmes de dança de rua, hoje iremos destacar alguns filmes na categoria Street Dance para você fazer uma avaliação e prestigiar o belo trabalho dos produtores que se propuseram a criar um filme baseado nesta vertente da Cultura Hip Hop que a cada dia cresce nas academias de todo o mundo. Nesta lista dos 10 melhores filmes de Street Dance você terá uma ampla lista seguida de clips e informações sobre o filme destacada. Os filmes são baseados desde uma bela história de amor até um pouco da história da dança até os dias atuais. Vale lembrar que em alguns dos filmes existem rastros do estilo bboy, no entanto, todos são baseados no estilo street dance criados a parti dos anos 1970 nos Estados Unidos.

Save the Last Dance

Este filme de 2001 encabeça a lista dos melhores filmes de Street Dance. A bailarina devastada encontra o bandido que pratica Street dance e o amor floresce. Um pouco piegas, mas cheio de movimentos impressionantes, passo a passo mostrado.

You Got Served

Esta entrada na lista dos melhores filmes de dança de rua envolve doisgrupos rivais mostrando uns aos outros com seus movimentos de dançaquentes. Nunca há um momento de tédio neste filme repleto de acção.

Step Up

Na lista de melhores filmes de dança de rua vem a história de amor de dois dançarinos de rua. A história gira não apenas sobre a queda no amor, mas uma natureza competitiva evidente que empurra cada um para fazer algummovimento da dança incrível.

How She Move

Fazer a lista de melhores filmes de dança de rua vem o filme baseado no gênero street stepping. Uma menina mostra os caras da vizinhança com seus movimentos são originais.

Stomp the Yard

Quando um diretor decide fazer um filme sobre estudantes universitárioscompetitivos break, você acaba com uma entrada na lista dos melhores filmes de dança de rua. Este filme tem alguns break dance louco e movimentos acrobáticos.

Take the Lead

Fazer a lista de melhores filmes de dança de rua vem a experiência da ligaçãoentre um professor de salão e uma menina que dança Street Dance. Enquanto ela aparece com a batida, ele a leva para a alta sociedade.

Center Stage

Esta entrada na lista dos melhores filmes de dança de rua gira em torno de o que acontece quando você toma o balé clássico para as ruas. Um conceito interessante.

Breakin

Este filme de 1984 faz parte da lista de melhores filmes de dança de rua. É tudo sobre dança de rua e criando novas (para a época).

Beat Street

Este entra na lista dos melhores filmes de street dance é conhecida por seus passos de dança incrivelmente de alta energia, e não muito mais. Corny e por cima, torna-se a dançar sozinho.

Wild Style

Completando a lista dos melhores filmes de dança de rua vem da década de 1980 filme sobre dança break nas ruas. Apesar de não ser um sucesso de público após a libertação, o filme agora é lembrado como inovador para os movimentos apresentados.

Terminamos aqui nossa lista dos 10 melhores filmes de Street Dance. Esperamos que você aprove nossa lista e caso tenha mais sugestões use o formulário de comentários abaixo.

Red Bull BC One Final Mundial 2017

0

A 14ª edição do Red Bull BC One está atingindo Amsterdão Westergasfabriek em 4 de novembro. Os participantes globais terão como objetivo emular o b-boy Issei depois que ele abraçou sua multidão em Nagoya, Japão, em 2016. O lutador de 19 anos duas vezes vencedor Hong 10 para capturar seu primeiro título da Red Bull BC One depois de anos de finais regionais do Pacífico japonês e asiático. Desta vez, os esperançosos da Red Bull BC One vão frente a frente em mais de 35 Cyphers e seis campos para determinar quem faz o corte de Amsterdã. Após as rotinas surpreendentes exibidas no Japão, 2017 Red Bull BC One prometeu ser o melhor ainda com os B-Boys mais talentosos do planeta alimentando a multidão apaixonada dos holandeses para descobrir o próximo campeão.

Após meses de preparação e uma longa jornada de eventos locais de Cypher em mais de 30 países, todos os olhos estão nos melhores bailarinos do mundo que mostrarão seu domínio de quebrar o que promete ser uma final mundial épica – os dançarinos, representando 9 diferentes países estão prestes a dar tudo para reivindicar o cinturão 2017 Red Bull BC One.

A verdadeira essência da cultura Hip Hop é encontrada em sua consciência coletiva única: a força criativa e causadora dos elementos do Hip Hop, levando muitos dançarinos a enfatizar que o Hip Hop não é algo que se faz, mas sim algo que se vive. Alguns dançarinos enfatizam o estilo e os movimentos de poder, alguns colocam a ênfase nos movimentos de poder e na sua combinação, e outros mostram seu estilo e individualidade por meio de patetagem e congelamento. O formato de batalha de um a um permitirá que os dançarinos mostrem não apenas o domínio das novidades, mas também o estilo geral e a expressão individual. Com o nível de competição e o talento aumentando a cada ano, Crazy Legs (EUA), Hong 10 (KOR), Niek (NED), Intact (UKR) e AT (FIN), que estão sentados no painel de julgamento – terão é um momento dificil para identificar o THE breaker que pode reivindicar o título.

Entrando em sua 4ª final mundial, o campeão defensor Issei Hori, de Tóquio, no Japão, está construindo seu triunfo em Nagoya (2016) para se preparar para o confronto deste ano. Avançando consistentemente para o final de quase todas as batalhas que ele entra, a musicalidade de Issei e o uso dinâmico de movimentos de poder o tornam um dos melhores entre as armas jovens. Na esperança de se tornar o primeiro dançarino a ganhar títulos de campeões mundiais, o B-Boy japonês terá que lidar com a pressão que vem com o alto nível de competição e o intenso confronto no mundo final.

Como fazer Coin Drop

0

Coin Drop está na categoria dos Suicides, mas é bastante conhecido como uma transição para alguns powermoves, dentre o mais comum está o moinho de vento. Talvez muitos já viram este movimento ser realizado em batalhas ou até mesmo já realiza, mas não conhece por nome.

O Coin Drop consiste em se “jogar” para trás e cair sobre as costas, causando um efeito de mola onde as pernas são voltadas para cima do corpo, mas ao ser flexionadas e bruscamente esticadas trazem o corpo a sua posição inicial.

Como transição, muitos usam para fazer aquela clássica descida para o windmill. No vídeo tutorial acima você confere o tutorial na integra com algumas instruções essenciais para evitar acidentes e machucados.

Moda para bboy

1

O Hip Hop é um segmento que está em alta, e um dos aspectos que mais me chamou atenção foi a maneira de vestir. Nossa! Gostei muito, eu já acompanho esse tipo de estilo há alguns anos, e vi o quanto esse estilo foi sendo adaptado de acordo com o passar dos anos. Nesse artigo você vai conhecer como era o estilo dos Bboys e das Bgirls antes e como  é hoje. O estilo é algo bem próprio que tem influencia afro americano, tomou conta das pessoas criando uma imagem de muita atitude e expressão corporal. Muita coisa mudou acompanhe comigo!

Antes

foto de roupas para bboy

Roupas largas era a pedida!

O estilo calça larga era a moda, além de deixar os movimentos mais originais, também facilitava muito movimentos que eram de difícil execução. As calças largas identificavam que já se tratava de dança de rua, até hoje as roupas identificam o segmento no qual alguém participa.  As calças tinham cintura bem baixa de modo que venha a aparecer as roupas íntimas, as meninas também usavam um estilo parecido. Bonés tem espaço garantido, completam o look e deixa os meninos e as meninas ainda mais bonitos. As meninas tinham um estilo ainda bem masculinizado quando o assunto é vestuário, a preocupação com a estética ainda não era tão evidenciada.

Hoje! Cada um com seu estilo

foto de roupa para dança de rua

Roupas masculinas

Os bboys ainda usam roupas folgadas, mas não é mais a preferência deles. Os anos passaram e muita coisa foi influenciando os dançarinos, hoje o bacana é criar estilo, as calças podem ser justas, porém confortáveis. Os bonés continuaram, sugiu agora toucas, chapéus, brincos, o relógio também é bem usado. As roupas coloridas já não é mais coisa só de mulher, os meninos amam.

Para as meninas

As bgirls optam hoje pelo lada mais sensual, usam calças justas e blusinhas coladas, a maquiagem é indispensável. Não esquecendo dos acessórios, como brincos pulseiras e colares. A moda agora é feminilidade. E vamos combinar ficou bem melhor.

Como Dançar Break – Alongamentos Básicos – Cap. 19

3

No vídeo aula de hoje, ministrado pelo nosso mestre Mano Mion, iremos aprender os alongamentos básicos para você praticá-los antes de seus treinos, evitando assim lesões e estimulando seus músculos nas atividades de treinos. Os alongamentos assumem uma grande responsabilidade na evolução de um bboy ou em qualquer outra atividade que exija esforço muscular, como no Breaking todos os movimentos exigem bastante movimentação de todos os músculos é necessário que nos aluguemos antes de todos os treinos, seja para evitar lesões e/ou ganhar mais flexibilidade, uma vez que em muitos movimentos é necessário muita flexibilidade. Um exemplo bem prático, seria os Powermoves, tais como: Moinho de vento, flare, etc. Ambos convém que sejam executados com as pernas bem esticadas.

No vídeo produzido um de nossos colaboradores, Mano Mion, ele ressaltou quais os alongamentos para bboys mais indicados para que tenhamos mais proveito nos treinos devido ao preparo antes do nosso corpo.

O vídeo aula está muito completo e com ótimas dicas, no entanto, caso você queira conhecer mais sobre os alongamentos, considere ler os seguintes artigos que preparamos para você.

Fãs e amigos prestam homenagens à Bboy Mr Kokada

10

Bboy Mr Kokada, conhecido também como o Mestre dos Powermoves, foi sem dúvida um dos grandes precursores da dança Breaking no Brasil, mais especificamente no mundo dos Powermoves. Para muitos, Kokada foi um grande amigo e professor.

Desde o seu falecimento que ocorrera ontem (21 de Dezembro de 2012) muitos amigos, familiares e fãs prestam suas homenagens ao grande ícone da Cultura Hip Hop. Confira a matéria na íntegra em Morre Bboy Mr Kokada.

No Hip Hop; um grande artista. Para amigos; um irmão.

Confira algumas homenagens:

Homenagem por Danzinho, Alemão, Guinho, Careca, Pedrinho, Guga, Buia, Neguinho (Mauá Breakers) , Rui(Mauá Breakers), Chicão (Mauá Breakers), Jairo(Mauá Breakers), Aranha, os irmãos André e Anderson, Catatau, Amendoim, Bio Allstars, e muitos outros

Assista também um vídeo por Bboy Alemão que mostra um pouco quem foi o grande Mr Kokada. (um grande amigo, fã e eterno aluno do Kokada)

Por Mamede Aref Aref

[slider][pane]bboy kokada morreu[/pane][pane]bboy kokada morreu[/pane][pane]bboy kokada morreu[/pane][/slider]

[quote]A vida me ensinou a dizer adeus às pessoas que amo, sem tirá-las do meu coração.
Charles Chaplin[/quote]

Bboy Mr Kokada morre aos 35 anos

40

Maurício Araújo de Souza, conhecido na cena Hip Hop como Bboy Kokada morreu aos 35 anos no dia 21 de Dezembro de 2012. A Cultura Hip Hop perde um dos mais talentosos bboys do Brasil. Mr Kokada, como também era conhecido, começou a dançar em 1993 na Estação São Bento, participou de vários campeonatos nacionais e internacionais. Kokada já estava internado em coma em decorrência de Meningite há alguns dias.

bboy kokada
Bboy Kokada deixa saudades à todos amigos e familiares.

Durante os 16 anos atuante na cena Bboying ficou conhecido não só no Brasil como também em todo o mundo. Participou de vários campeonatos nacionais e internacionais. Kokada também era MC, um de seus grandes hits fo

Seu talento estende-se à grandes trabalhos na cena Hip Hop como bboy e/ou MC, confira alguns de seus trabalhos:
[pluslist]

  • 2009 – Participou do Documentario Nos Tempos da São Bento
  • 2009 – Participou do filme VIPS com Vagner Moura
  • 2009 – Vencedor do quadro Dançando pra valer no programa do GUGU na Record
  • 2009 – Participou na final do Qual é o seu talento do SBT
  • 2008 – Part do Documentario Eu o vinil e o resto do Mundo.
  • 2008 – Show na Virada Cultural com Áfrika Bambaataa,
  • 2009 – Apresentação no Gas festival
  • 2008 – Apresentação no Gas festival
  • 2008 – Iniciou como Dançarino oficial do programa (Manos e Minas) da TV Cultura Nelson Triunfo e Grupo Street Warriors
  • 2008 – Show na Matriz da Nestlé
  • 2008 – Show Dream Fashion tour
  • 2007 – Show no lançamento do Nescau 2.0
  • 2007 – participação na Abertura da praça e nossa
  • 2006 – Show happy hip rock (Credicard hall)
  • 2006 – Participação na Abertura da praça e nossa
  • 2006 – Show vivo open air.

[/pluslist]

Já levou o seu trabalho para algumas emissoras de TV.

[arrowlist]

  • Eliana
  • Tudo é Possível
  • Rede Record Eliana
  • SBT Ana Hickmman
  • Tudo é Possível
  • Rede Record Legendários
  • Rede Record Jornal da Record

[/arrowlist]

Também fez alguns comerciais de TV:

[arrowlist]

  • 2008 – Cerveja Crystal
  • 2007 – Tim 2006 HSBC
  • 2005 – Embratel
  • 2004 – Pernambucana 2003 – C&A.

[/arrowlist]

Vídeo clipes

Rodrigo Moratto, Vini Max, Jigaboo, Huecco ( Espanha). Administrou aulas na antiga Febem de 2000 a 2008 ( agora fundação CASA ) Ensinando Metricas de rima e a Dança Breaking.

A morte do Bboy Kokada foi algo inesperado por muitos, toda a comunidade do movimento Hip Hop ficou surpreendida com a notícia. Maurício (O Kokada) morreu às 7 horas da manhã do dia 21 de Dezembro. Amigos e fãs prestam suas homenagens pelo grande carinho e respeito que sentiam pelo talentoso Mestre dos Powermoves do Brasil.

O velório e enterro

Velório sera às 22:00 no cemitério Itaquera, Rua: Serra de São Domingos 197, Vila Carmosinha.

bboy kokada morreu
O Enterro foi realizado às 09:00 horas no Cemitério Itaquera. Amigos, fãs e familiares estiveram presentes prestando suas homenagens. Foto por Bioallstars

 

Enterro às 09 da manha.

New Style – Um novo estilo de Dança de Rua

7

New style, também chamado de Hip Hop, refere-se ao estilo de dança de rua ao som de hip hop ou ao som de estilos que foram desenvolvidos a partir do hip hop, diferente do Locking e do Popping que se originaram da funk music.

O New Style é um estilo muito usado pelo sexo feminino e hoje é uma das categorias de dança de rua mais comuns, destacando-se em competições por todo o mundo.
new-style-hip-hop-dance

Este novo estilo são referencias de uma nova escola, assim como o breakdance, o popping e o locking são considerados old school.

Assista a alguns videos e conheça um pouco mais do “New Style”:



Os 10 Melhores Filmes de Hip Hop

5

Há já muitos filmes e documentários com base no Hip Hop e da cultura ao longo dos últimos 30 anos. No entanto, poucos destes projectos devidamente representados a música e a cultura ao mesmo tempo proporcionando entretenimento valor suficiente para satisfazer suas respectivas audiências.

Dos filmes que destacam rap, DJ, a escrita Graffiti, e a dança break, aqui vai a minha lista dos Top 10 dos melhores filmes de Hip Hop de todos os tempos.

hip hop filmes

CB4 (1993)

Lançado durante o auge do rap “gangsta”, este filme hilariante, às vezes pode ser muito picante e explícita para alguns espectadores. Gusto MC (Chris Rock), Dead Mike (Allen Payne) e Arson Stab Master (Dearon Thompson) formam o “bad boy” fictício grupo CB4 (Cell Block 4) que, acidentalmente, dispara para o estrelato.

House Party (1990)

O elenco estelar inclui rappers Kid (Christopher Reid) e Play (Christopher Martin), bem como o falecido Robin Harris (Pop), Martin Lawrence (Bilal) e Tisha Campbell (Sidney). O original House Party apresenta uma noite de diversão e risos que todos possam se relacionar em um ponto em nossas vidas.

Breakin’ (1984)

Embora a ênfase está na dança, Breakin ‘ também abre os olhos de integrar da América a outros elementos do hip-hop como beatboxing, DJing e o graffiti. Você pode desaprovar a mídia tendenciosa de Hollywood e a história, mas não pode negar importância do filme para o Hip Hop, apelando para tal base de um público diversificado.

8 Mile (2002)

Este filme semi-autobiográfico sobre o rapper Eminem (Marshall Mathers) centra-se na cena underground e desafio de “making it”. Eminem sólido em sua estréia atuando como B-Rabbit. A trilha sonora é um ardente, com faixas quentes por 50 Cent, Nas, Rakim e, claro, Eminem si mesmo.

Style Wars (1982)

É grafite ou um crime? Escritores como SKEME e detratores, como ex-prefeito de Nova York Ed Koch partilhar as suas opiniões em um dos primeiros e melhores documentários de Hip Hop de todos os tempos. Música clássica por artistas como The Sugar Hill Gang (“8 ª Maravilha “) e Grandmaster Flash (” The Message “) consolida a experiência global para os telespectadores.

Applebee’s Guest Satisfaction Survey

Hustle & Flow (2005)

O filme digno de todos os elogios que recebeu. Actor Terrence Howard oferece como DJay, um cafetão do Sul cujo último sonho é se tornar uma estrela do rap. Justamente como você pensa DJay finalmente venceu após fazer amizade com grande rapper Skinny Black (Ludacris).

Rhyme & Reason (1997)

Como Style Wars, este é um documentário bem executado em Hip Hop. Rhyme & Reason explora a evolução da música e da cultura através de entrevistas com mais de 80 artistas. Diddy, Lauren Hill, Dr. Dre e do falecido Tupac Shakur são alguns grupos que compartilham uma visão valiosa no filme.

Krush Goove (1985)

Um bebê com cara de Blair Underwood, que interpreta Russell, frentes elenco repleto de estrelas do filme, que inclui Kurtis Blow, Run-DMC, Sheila E. e The Fat Boys. Lançado em Época de Ouro do Hip Hop, é baseada nos primeiros dias da Def Jam Recordings, um dos mais influentes artistas da música Rap.

Wild Style (1983)

O filme é universalmente considerado a primeira coberta do Hip Hop. Origens da cultura no centro das atenções com a pioneira Old School Fab Five Freddy e grafiteiros lendários artistas. É um clássico da cultura Hip Hop . Os espectadores podem sentir o verdadeiro espírito do Hip Hop através do diálogo, música e cenário.

Beat Street (1984)

O clássico dos anos 80 gira em torno de DJ Double K (Guy Davis), seu interesse amoroso por Tracy (Rae Dawn Chong) e um pouco do irmão Lee (Robert Taylor). Com cenas preciosas como os NYC Breakers enfrentam o Rock Steady Crew, Beat Street é apenas uma experiência de visualização mais completa do que o estilo selvagem.

Se você gostou de ler a minha lista dos Top 10 dos melhores filmes de Hip Hop de todos os tempos, considere ler também Os Melhores filmes de Dança de Rua